Tecnologias

 

 

Projetos são desenvolvidos tendo como base a Plataforma Java, em suas edições para aplicativos Desktop (JSE) e Web (JEE). As informações empresariais são armazenadas e centralizadas em Bancos de Dados Open Source, e acessadas em rede. Não há custos envolvidos na aquisição de softwares proprietários.

 

Todas as empresas possuem definições de seus processos, diretrizes e políticas internas, que norteiam as suas atividades. Em desenvolvimento de software tais definições são conceituadas como "regras de negócio", competindo ao analista compreendê-las e incorporá-las ao sistema a ser implantado. A Villy faz uso de tecnologias que permitem respeitar cada particularidade do cliente, modelando cadastros e relatórios para que apresentem somente as informações necessárias, além das validações e associações conforme as regras de negócio mencionadas. Trabalhando em conjunto, analista e usuário definem o conteúdo das telas e saídas, garantindo aderência aos requisitos: campos e colunas, obrigatoriedade de preenchimento, valores pré-definidos, integrações cadastrais, aparência, classificações, ordenações. Cria-se, desta forma, um sistema verdadeiramente personalizado.

 

Os seguintes requisitos não-funcionais também são considerados:

 

  • Portabilidade: utilização da JVM (Java Virtual Machine);

  • Controle de acesso: tela de conexão ("login") para autenticação e autorização de usuários;

  • Performance: tempo de resposta a comandos;

  • Usabilidade: facilidade de operação;

  • Confiabilidade: rotinas de backup do Banco de Dados;

  • Preferências por usuário: aparência e comportamento;

  • Registros de ações: "log".

 

 

IDE de desenvolvimento: NetBeans

Plataforma de desenvolvimento: Ubuntu

 

Bancos de Dados

 

 

Os sistemas desenvolvidos pela Villy seguem a arquitetura cliente-servidor, onde as máquinas de todos os usuários acessam um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD), instalado e centralizado em uma máquina servidora. Este modelo estrutura os dados da empresa, proporcionando:

 

  • Padronização: critérios para normalizar os dados (letras maiúsculas e/ou minúsculas, abreviações, formatos, máscaras);

  • Unificação: o mesmo dado armazenado uma única vez, sem versões distintas para cada usuário. Exemplo: somente um fornecedor cadastrado (utilizando como identificador o CNPJ);

  • Centralização: os dados são armazenados e gravados no servidor, sendo submetidos a cópias de segurança periódicas ("backup"). Uma vez inseridos, os  mesmos dados podem ser atualizados e consultados por cada um dos usuários (acesso concorrente em rede).

 

A escolha do SGBD é determinada basicamente pelo escopo do projeto. A Villy adota os seguintes softwares gratuitos que, além de já consolidados no mercado, não acarretam custo adicional aos clientes. Clique para obter maiores detalhes:

 

 

Relatórios e gráficos

 

 

Além de viabilizar o cadastramento e manutenção dos dados empresariais, os sistemas desenvolvidos pela Villy enfatizam a forma como eles são apresentados, seja para uma simples conferência ou como suporte para a tomada de decisões gerenciais.

 

A ferramenta utilizada para a elaboração destas saídas disponibiliza diversos recursos gráficos, além da opção de impressão e/ou exportação automática em vários formatos e extensões: DOC, JPG, HTML, PDF, XLS.

 

Relatórios são configuráveis em toda a sua estrutura (componentes): título, imagens e logotipos, cabeçalho, filtros, parâmetros, colunagem, agrupamentos, totalizações, ordenações, sumário, rodapé, paginação.

 

Gráficos são uma alternativa suplementar para a apresentação de dados estatísticos comparativos, e estão disponíveis em forma de barra, pizza, linha, etc.

 

Clique para obter maiores detalhes: